Cascais apresenta plano para um Parque Natural mais resiliente

Depois do fogo de setembro de 2018, autarquia cria plano de intervenção que envolve todas as entidades com jurisdição no Parque Natural Sintra-Cascais, tendo como propósito dar-lhe uma nova vida.

Há cerca de dois anos, 6 de setembro de 2018, um incêndio lambera mais de 430 hectares desde a Ermida de S. Saturnino, na Peninha, até às dunas da Cresmina. Uma semana depois mais de 1200 munícipes voluntariavam-se na limpeza dos terrenos. A importância cívica desta resposta da população era apenas um sinal daquilo que o incêndio desencadeara. Uma intervenção liderada pela autarquia, mas envolvendo todas as demais entidades com jurisdição no Parque Natural Sintra-Cascais, tendo como propósito dar-lhe uma nova vida.

Joana Balsemão, vereadora da Câmara Municipal de Cascais com o pelouro do Ambiente lembraria isso mesmo na apresentação do Plano de Paisagem e Plano de Ação, em pleno Parque, na Casa da Cal da Quinta do Pisão: "Logo que o incêndio foi extinto, houve uma convicção muito forte, liderado pelo presidente da Câmara, Carlos Carreiras, de que o pós-fogo não devia ser gerido de forma meramente reativa". Joana Balsemão falaria da necessidade "de tratar aquela cicatriz na paisagem", mas sobretudo, a de "adotar uma postura preventiva".

Meses depois a autarquia apresentava as linhas gerais do Plano de Paisagem e do Plano de Ação para recuperação da zona ardida, eram assinados protocolos com entidades do Estado Central e surgia o envolvimento dos privados.

Dois anos depois João Melo, da Cascais Ambiente, explicaria todo o processo, o aprofundado estudo que esteve na origem da elaboração destes planos que procuram "reativar a paisagem, torná-la mais resiliente", não deixando de fora "a componente económica e social", porque é necessário também criar emprego, criar negócio numa paisagem mais sustentável, referiria o arquiteto João Melo. E explicaria: "Identificamos cinco premissas naquilo que são as funções do território. A proteção das pessoas, já que se trata de um território periurbano; a conservação dos valores naturais: a produção, o recreio e a paisagem".

O estudo, que ponderou as diversas incidências ao longo dos tempos, avaliou o risco de incêndio, uma ameaça concreta que, se nada for feito para a contrariar, vai acabar por transformar definitivamente a paisagem. É por isso importante estudar "a evolução da ocupação do solo, cartografar os valores naturais e perceber como os incêndios tem vindo a moldar nos últimos anos a paisagem", explicaria João Melo.

Procuraram-se respostas para várias e importantes questões: "Com que frequência os fogos acontecem, e porquê nesta zona? Qual o padrão da direção tendencial do fogo e que influencias têm o vento, a orografia e a ocupação do solo?"

Para todas as questões levantadas o "único fator alterável é a vegetação e o modelo de gestão", lembraria João Melo.

"Um dos obstáculos para qualquer intervenção do território" explicaria ainda o arquiteto, "é o regime de propriedade e 56% do território é propriedade privada, sobretudo pequenas propriedades". Daí, acrescentaria, "o cuidado especial em encontrar ferramentas para enfrentar este problema". 

Uma delas está em marcha, chama-se ZIF, Zona de Intervenção Florestal, uma entidade que junta todos os proprietários do Parque, públicos e privados e nestes, os grandes e os pequenos, numa tarefa única, gerir de forma sustentável um Parque Natural que é património de todos.

A vereadora Joana Balsemão concluiria: "O triste dia 6 de outubro de 2018 transformou-se, dois anos depois, num dia feliz" porque o triste Incêndio foi apenas o princípio de um processo que vai transformar o Parque Natural Sintra/Cascais.