Covid-19: Área para doentes com queixas respiratórias criada no Centro de Congressos do Estoril

O município de Cascais já dispõe de uma área dedicada aos doentes com queixas respiratórias (ADR-C), instalada no Centro de Congressos do Estoril. A autarquia explica que esta nova valência se destina aos doentes que apresentam queixas respiratórias, mas que não têm indicação para ir ao hospital.

"Vem aliviar a pressão sobre o Centro de Saúde de São João do Estoril. Dotado de receção, zona de espera e sete gabinetes (cinco para consulta, um de enfermagem e um de isolamento), a ADR-C tem capacidade para ir até cinco médicos e dois enfermeiros e permite uma maior capacidade de resposta, associada à testagem nos centros de rastreio já em funcionamento no Centro de Congressos", lê-se na nota.

O espaço vai funcionar de segunda-feira a domingo, das 10:00 às 18:00, para acolher "não só os doentes encaminhados pelo Serviço Nacional de Saúde 24, mas também aqueles que tiverem queixas relacionadas com a covid-19".

O Centro de Congressos do Estoril tem sido uma infraestrutura utilizada no combate à pandemia desde março, tendo ali sido instalado um complexo de testes efetuados com o apoio de laboratórios privados.

"Agora, com a criação do ADR, a autarquia fechou aqui o ciclo do que se propôs fazer para os seus munícipes: complementar a oferta laboratorial com uma oferta de consulta e de acompanhamento do doente com doença respiratória", afirma o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras.

A Câmara de Cascais refere, ainda, que nas últimas semanas procedeu ao reforço das equipas de saúde pública, com cerca de 30 trabalhadores municipais que apoiam os rastreadores que realizam os inquéritos epidemiológicos.

"Esta conjugação de esforços que temos com as autoridades de saúde, não sendo competência da Câmara Municipal, resulta em benefício de todos os munícipes. Identificar e isolar contactos de alto risco é a única forma de quebrar as cadeias de transmissão", sublinha o autarca de Cascais.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.397.322 mortos resultantes de mais de 59,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 4.127 pessoas dos 274.011 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.