Covid-19: Cascais recebe 20 toneladas de equipamento para distribuir por entidades

O município de Cascais recebeu 20 toneladas de material hospitalar para combate à covid-19, que está a distribuir por instituições do concelho, além de ajudar outros municípios da Área Metropolitana de Lisboa, anunciou hoje o presidente da autarquia.

De acordo com Carlos Carreiras, também a Área Metropolitana de Lisboa (AML), em coordenação com os presidentes de câmara dos 18 municípios, fez na quinta-feira uma encomenda de material, que espera receber entre 05 e 08 de abril.

"Para ter uma ordem de ideias, em termos de encomendas, estamos a falar de cerca de três milhões de euros para Cascais e, no âmbito da AML, de 6,5 milhões de euros", disse.

As 20 toneladas de material que chegaram a Cascais estão já a ser distribuídas por forças de segurança, forças da Proteção Civil e instituições de solidariedade social, afirmou o autarca, destacando que foram recebidas máscaras, luvas, fatos, óculos, álcool e álcool gel.

Considerou ainda que o hospital de Cascais "não é uma preocupação", porque "também a tempo se juntou" à encomenda de Cascais e recebeu material próprio.

Em relação aos restantes municípios da AML, "dado que nós já tínhamos recebido esta nossa primeira encomenda e sabendo da urgência e das necessidades que todos eles têm, poderíamos começar desde já a dar algum apoio com o equipamento que já temos aqui em Cascais e, neste caso, já houve manifestação de interesse por parte dos municípios", afirmou destacando que hoje mesmo já foi entregue material ao município do Seixal.

Numa nota, a autarquia destacou que o avião, proveniente da cidade chinesa de Xiamen, com escala em Moscovo, aterrou ao princípio da tarde de quarta-feira em Lisboa.

Entre o material que desembarcou, estão um milhão de máscaras de proteção, 10 mil caixas de luvas, 50 termómetros, dois mil óculos de proteção e dois mil fatos de proteção, álcool, gel, completando um total de 1.500 caixotes de material.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 292 mil infetados e quase 16 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 8.165 mortos em 80.539 casos registados até quinta-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 4.858, entre 64.059 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos são desde quinta-feira o que tem maior número de infetados (mais de 85 mil).

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.